Pesquisar este blog

sábado, 18 de julho de 2015

Biografias musicais para a Rádio Nacional/Funarte Reginaldo Rossi





REGINALDO ROSSI


ESTÚDIO F





Á U D I O T E X T O

Música tema entra e fica em BG;

Locutor: A Rádio Nacional apresenta (1'25”)
ESTÚDIO F,
Momentos Musicais da Funarte

Apresentação Paulo César Soares.

Apresentador: Ele tocou rock, iê,iê,iê, mas ganhou fama pela forma como escrevia e cantava os relacionamentos amorosos. Sem pudores para tratar temas difíceis como traição, amor e abandono, arrastou multidões. De camisa aberta e cordão no pescoço, sempre sedutor, o homenageado do Estúdio F é um apaixonado pelas mulheres, o 'Rei do Brega', Reginaldo Rossi.

Entra “Mon amour, meu bem, ma femme” como bg no trecho sublinhado, depois sobe e fica até o final. (2'22”)
Apresentador: “Mon amour, meu bem, ma femme” é uma canção que fala do poder de sedução feminino, uma declaração de amor. Puro romantismo, que, aliás, é marca registrada do artista! Mas a carreira de Reginaldo Rossi começou em um ritmo bem diferente: foi, segundo ele mesmo, o primeiro cantor de rock do nordeste. Passou a imitar Roberto Carlos e, depois, a cantar o próprio iê, iê, iê. Sonhando com a fama, Reginaldo abandonou a profissão de engenheiro, as aulas de matemática e física, para comandar o grupo “The Silver Jets”(Dê Silver Djéts). Vamos ouvir uma das músicas do primeiro compacto da banda, que saiu do forno em 1966: a canção “Você gosta de mim”.(35”)

Entra “Você gosta de mim” e fica até o fim (2'24”)

Apresentador: Ser chamado de ‘pão’ por uma das meninas recatadas do interior era um ‘senhor’ elogio a qualquer homem no fim da década de sessenta. O termo 'pegou' ainda mais depois do lançamento do primeiro LP da carreira solo de Reginaldo Rossi, lançado pela Chantecler. (Chanteclér) A faixa-título, "O pão", fala da superação de um homem abandonado pela mulher amada, que dá a volta por cima e encontra um novo amor. A música, composta em parceria com Namir Cury e Orácio Faustino, em pouco tempo estourou nas rádios do nordeste! (25”)

Entra em BG a introdução da música “O PÃO”. Sobe ao término da narração e fica até o fim. (2'23”)

Apresentador: Depois de provar do sucesso de "O Pão", Reginaldo Rossi lançou a “Festa dos pães”, seu segundo álbum, já com um estilo mais irreverente. Um dos maiores sucessos desse LP foi a canção “Maior que Deus”. Nela, Reginaldo exalta uma mulher que tem o poder de fazer com que o homem ao seu lado sinta-se como o todo poderoso, capaz de qualquer coisa por ela, acima do bem e do mal. (20”)

Entra “Maior que Deus” e fica até o fim. (2'45”)

Apresentador: A identificação de Reginaldo Rossi como “cafona” aconteceu mesmo no terceiro disco, lançado em 1970, pela CBS, quando ele deixou completamente de lado o rock.// Reginaldo, que já era reconhecido pelo lado romântico, ousou ainda mais. Apimentou suas letras e passou a cantar os dilemas dos relacionamentos de modo mais desavergonhado, expondo os desejos mais ardentes, como em “Pegou fogo na caixa d'água”, do álbum “Chega de promessas”.(26”)

Entra “Pegou fogo na caixa d'água” e fica até o fim. (2'00”)

Apresentador: A década de 80 foi marcante para Reginaldo Rossi. O romântico exagerado encontrou seu espaço no norte e nordeste do Brasil. Tudo que cantava caía no gosto do povo!// Entre os sucessos desse período, lançou, já pela EMI, o LP “A volta”. // Um dos destaques do álbum é a música “A idade do lobo”, que fala da paixão de um homem maduro por uma mulher bem mais jovem.(25”)

Entra “A idade do lobo” e fica até o fim. (3'20”)

Apresentador: No próximo bloco, Reginaldo Rossi homenageia sua
terra natal e canta as dificuldades do caminho que trilhou do anonimato ao sucesso.(12”)

Locutor: Estamos apresentando Estúdio F,
Momentos Musicais da Funarte. (3”)

OBS: O primeiro bloco tem um total de (19')

I N T E R V A L O

Insert Chamada Funarte (23”)

Locutor: Continuamos com Estúdio F

Entra “Recife minha cidade”, cai como Bg e permanece brevemente no início da fala do apresentador.

Apresentador: Apaixonado por Recife, Reginaldo Rossi sempre contava, durante os shows, histórias de seu tempo de menino. Filho de um artista cômico, sapateador e cantor, perdeu o pai aos quatro anos de idade e foi adotado por um casal com quem foi morar no Rio de Janeiro.
Registrado com o sobrenome dos pais adotivos: 'Reginaldo Rodrigues dos Santos', assumiu artisticamente o sobrenome da avó, assinando Reginaldo Rossi. Foi com ela, Antônia Rossi, que Reginaldo voltou a morar no nordeste, na adolescência. Vamos ouvir agora a música “Recife minha cidade”, uma das homenagens a sua terra natal. (35”)

Entra “Recife minha cidade” e fica até o fim. (4'50”)

Apresentador: Acabamos de ouvir “Recife minha cidade”, música na qual Reginaldo Rossi saúda sua terra, mas o tema mais recorrente em seu trabalho é o amor romântico, o desejo puro e simples. Para ele, a paixão e suas confusões eram algo para ser tratado com naturalidade, comum à vida de todas as pessoas. Uma de suas canções, inclusive, ganhou título de uma fábula infantil: “A raposa e as uvas”, em que o animal, não conseguindo as frutas desejadas, sai falando delas com desdém. (35”)

Entra “A raposa e as uvas” até o fim. (3'50”)


Apresentador: Reginaldo Rossi ganhou destaque pela forma como escrevia sobre os encontros e desencontros entre os casais. A paixão, a traição, as brigas, as desilusões e os reencontros foram contados em histórias com as quais as pessoas se identificaram. Suas canções viraram trilhas sonoras de muitos amores Brasil afora. Não só nas músicas que compôs, mas também nas que escolheu interpretar, como em “Entre tapas e beijos”, de Nilton Lamas e Antônio Bueno.(32”)


Entra “Entre tapas e beijos” e fica até o fim. (3'20”)

Apresentador: A vida de estrela da música brasileira não foi fácil. Encontrar o caminho do sucesso, em São Paulo, exigiu persistência e coragem. Reginaldo Rossi desabafa as dificuldades desse percurso em “Foi duro meu amigo”, que vale a pena ouvir.(17”)

Entra “Foi duro meu amigo” e fica até o fim. (3'40”)


Apresentador: No próximo bloco, Reginaldo Rossi lança “Garçom” e conquista fãs de todas as idades.(5”)


Locutor: Estamos apresentando Estúdio F,
Momentos Musicais da Funarte. (3”)


OBS: O segundo bloco tem um total aproximado de (18')

I N T E R V A L O

  1. Insert Chamada Funarte (23”)

Locutor: Continuamos com Estúdio F

Apresentador: Reginaldo Rossi não achava o rótulo de brega negativo. Pelo contrário. Era um título do qual ele se orgulhava, pois, em sua opinião, tinha a ‘nobreza’ de alguém que escolheu falar das coisas do coração. Aos que consideravam o termo brega pejorativo, incorporava o professor que foi na juventude e explicava que a diferença entre “brega e chique” só começou a existir depois da década de 60, no contexto da ditadura militar.
Tanto com o título de Rei, quanto com o de brega, Reginaldo era tão bem resolvido que, em 1999, gravou o rock “Rossi - The King”, composição de Renato Barros: aquele dos Blue Caps! Nos versos da canção, Reginaldo brinca com a própria fama. A música diz que se Elvis fosse vivo, teria raiva de Reginaldo. Diria: “My good como é que pode? Nem o Sinatra faz tanto sucesso assim!”. Acompanhe: (1’)


Entra “Rossi - The King” e fica até o final . (3'45”)
Apresentador: Reginaldo circulou e conquistou a admiração de diferentes públicos. Procurava sempre novas inspirações e projetos.
Em 2000, gravou, no Parque Lage, no Rio de Janeiro, seu primeiro videoclipe com direção de Paulo Caldas e Lírio Ferreira, cercado de mulheres fazendo a dança do ventre, como um verdadeiro sultão. A música escolhida foi “Leviana”, escrita por Tony Brasil, em parceria com o cantor Diogo do Pará. (20”)

Entra “Leviana” e fica até o fim. (4'48”)

Apresentador: Uma demonstração da admiração que Reginaldo despertava em seus colegas artistas foi o lançamento do CD “Reginaldo Rossi – Um tributo”, onde não faltaram amigos que quisessem participar. Uma das homenagens foi a gravação de “As quatro estações”, por Geraldo Azevedo. (25”)

Entra “As quatro estações” e fica até o fim. (3'57”)


Apresentador: Se nas canções o Rei amou demais, na sua biografia, o coração foi terra de uma dona só: Dona Celeide Rossi. // O “Dom Juan” brega teve apenas um filho e viveu por mais de 30 anos com a única esposa. Reginaldo morreu em dezembro de 2013, aos 69 anos, lutando contra um câncer de pulmão, mas fica imortalizado pela obra que deixou. E nós guardamos o melhor para o final. Vamos encerrar o programa, com o próprio Reginaldo explicando, com seu jeito bem humorado, como nasceu a música de maior sucesso: Garçom!, lançada no LP “Teu melhor amigo”, pela EMI (ì, êm, ai), em 1987. (40”)

Entra áudio abaixo.

(Garçom... falei em garçom todo mundo gosta, todo mundo ri, mas é um fato verídico: os homens acham que podem chifrar, chifrar e chifrar que não acontece nada. E homem é tão safado, que no dia que leva um chifrizinho já quer bater na mulher, quer matar a mulher. Isso não se faz. Eu sou contra a violência.(atenção edição: corte) Eu sai para o bar, comecei a beber, a chorar e o garçom chegou junto de mim e disse: Rossi, por que tão triste? Por que chorando tanto? Eu disse, garçom, acabei de levar o maior chifre da minha vida! Ele disse: Deixa pra lá, faz uma música! Eu disse: é mesmo, peguei um papel e comecei a escrever a letra. Terminei, mostrei pra ele e ele disse: ta ótimo. Eu disse: Tá boa? Será que vai fazer sucesso? Ele olhou dentro dos meus olhos e disse: Rossi, vai ser o maior sucesso! Eu perguntei: Por que? Ele olhou de novo pra mim e disse: porque você não é o único corno do Brasil! Vamos lá! Garçom! Começa a música)

Entra “Garçom” e fica até o fim. (4’57”)

Entra música tema do Estúdio F e fica em BG com a narrativa abaixo grigada. (57”)


Apresentador: O programa de hoje foi roteirizado pela pesquisadora e roteirista Aline Veroneze. O Estúdio F é apresentado toda semana pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro e nas Rádios Nacional de Brasília e da Amazônia, emissoras EBC – Empresa Brasil de Comunicação. Os programas da série também são uma das atrações do Portal das Artes. O endereço é www.funarte.gov.br. Cultura ao alcance de um clique! Você também pode ouvir o programa pelo site da EBC: www.ebc.com.br. Quem quiser pode escrever para nós, o endereço é: estudiof@ebc.com.br

Apresentador: Valeu, pessoal! Até a próxima!!!

OBS: O terceiro bloco tem um total de (20”)

Total aproximado (57’)



CHAMADA


Apresentador: Ele ficou conhecido nacionalmente por cantar o amor às mulheres e o pesar das traições. Pernambucano, romântico, era especialista em abrir seu coração sem reservas e cantar as dores e sabores dos relacionamentos. Recebeu o título de 'Rei do Brega', mas já participou até de uma banda de rock no nordeste do Brasil. Reginaldo Rossi é o homenageado do Estúdio F, na segunda-feira, às 21 horas, aqui na Rádio Nacional. (25”)