Pesquisar este blog

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Roteiro Fernanda Abreu - Estúdio F por Aline Veroneze

Olá, resolvi parar um pouco a rotina de produção para dar um alô aqui no blog.

Estou trabalhando nos roteiros de um programa para a Rádio Nacional, o Estúdio F, pela produtora Tempo Real. Tem sido uma delícia, porque faz um flashback à época do Conservatório em Juiz de Fora - Ah... por que eu não aproveitei melhor minhas aulas de música :P _ e porque estou tendo o privilégio de trabalhar com dois profissionais que têm me agregado muito, de muito conteúdo: Pedro Paulo Malta e Cláudio Felício.

Em  breve vou colocar aqui a rotina de pesquisa, o contato com os artistas e o trabalho final. Já escrevi sobre Reginaldo Rossi, Fernanda Abreu, Tom Zé, Quarteto em Cy, Demônios da Garoa. Outros sete estão em gestação, rsrs!

O primeiro filho a nascer é Fernanda Lima, programa que ganha voz de Paulo César Soares.
Em breve estará no site da Funarte, mas em primeiríssima mão, coloco aqui o roteiro e o último bloco.

Espero que curtam a Garota "Sangue Bom". Até mais!
Foto: divulgação

Terceiro Bloco do Estúdio F - Fernanda Abreu

Fernanda Abreu

ESTÚDIO F ___
Á U D I O T E X T O

Música tema entra e fica em BG;

Locutor: A Rádio Nacional apresenta
              ESTÚDIO F, Momentos Musicais da Funarte
              Apresentação Paulo César Soares. (1'25”)

Entra "Night Fever" no trecho grifado e fica como BG 

Apresentador: Anos setenta, década da discoteca e dos embalos de sábado a noite. No Rio de Janeiro, a música black (bléck) também conquistava seu espaço com o soul, o rock e as baladas de Tim Maia e Gerson King Combo. Foi nesse cenário que cresceu uma garota apaixonada pela dança. Ela começou a frequentar aulas de balé aos nove anos, passou a adolescência nas festas da Cidade Maravilhosa e a paixão pela dança se tornou tão grande que ela acabou colocando o Brasil inteiro pra sacudir. (25”)

Sobe “Brasil é o país do suingue” (Colocar aqui ela chamando: Alô, alô meu povo” Alô grêmio recreativo samba funk Brasil, vamos lá, vamos arrebentar!Demorou, mas abalou. Vamos nessa! Que vai do início a 16”) cai, ficando como BG

Apresentador: O Estúdio F apresenta: a carioca sangue bom, cheia de suingue, Fernanda Abreu.

Sobe “Brasil é o país do suingue” e fica até o fim. (5’)

Apresentador: Fernanda Abreu era figura certa no circuito cultural carioca do fim dos anos setenta e, cheia de charme, logo trocou as plateias pelos palcos. Primeiro, na banda 'Nota Vermelha', com Léo Jaime, depois, como backing (béquin) vocal da Blitz. No auge da onda BRock, (bê rock) o compacto “Você não soube me amar” vendeu sessenta mil cópias em menos de um mês e Fernanda Abreu conheceu o sucesso: foram três discos gravados e turnês pelo Brasil e pelo exterior. (27”) 

Entra “Você não soube me amar” como Bg no trecho grifado, sobe e fica até o final (3'22”)
Apresentador: Fernanda Abreu fez vestibular para arquitetura, mas a matemática mandou a ‘dublê de universitária’, como ela mesmo costumava se chamar, direto para os bancos da sociologia. Faltava um ano para a formatura quando Fernanda teve que escolher entre o diploma e a carreira artística. Não vacilou: sua vida estava na arte. Dançava oito horas por dia, fez aulas de canto e violão. A Blitz acabou, mas Fernanda Abreu descobriu que poderia unir as paixões pela disco music (míusic) e pelo funk, e se jogou de cabeça na busca de um estilo próprio para a carreira solo. Hoje, a 'garota sangue bom' é referencia entre as vozes femininas da Cidade Maravilhosa. (38”)

Entra “Garota Sangue Bom” e fica até o final. (2’12”)

Apresentador: Nos tempos de Blitz, Fernanda Abreu e os amigos viraram personagens das figurinhas auto adesivas do álbum da banda. Fernanda, com seus vinte anos e cabelo espetado, tinha sempre um figurino extravagante com biquínis de bolinha e até vestido de noiva. Mas o personagem de maior sucesso apareceu anos mais tarde: Fernanda de peruca loira, arma em punho, em um conversível branco. Era Kátia Flávia: a contraventora ‘poderosa’ que mata um figurão no subúrbio do Rio e procura refúgio em Copacabana. A história foi contada na música de Fausto Fawcett e Carlos Laufer, interpretada por Fernanda Abreu, no seu clipe mais badalado. (38") 

Entra “Kátia Flávia – a godiva de Irajá” (4’19”) 

Apresentador:No próximo bloco: Da felina Vênus Cat People (Két Pípou) à moderna de Bido-libido, Fernanda Abreu apresenta ao mundo histórias de mulheres cheias de atitude. (10”) 

Locutor: Estamos apresentando Estúdio F, Momentos Musicais da Funarte. (3”)

OBS: O primeiro bloco tem um total de (18”)
I N T E R V A L O
 •Insert Chamada Funarte (23”)

 BLOCO 2

 Locutor: Continuamos com Estúdio F

Apresentador: O primeiro álbum solo de Fernanda Abreu, lançado em 1990, foi o "Sla Radical Dance Disco Club”(slá radical dence disco clâb), produzido por Herbert Vianna e Fábio Fonseca. ‘Sla’ é a abreviatura de 'Sampaio de Lacerda Abreu', sobrenome de Fernanda, uma homenagem à família, que tanto deu força para que a menina seguisse a vocação artística. Numa das músicas deste disco, ela conta a história de uma figura feminina criada em laboratório, por um cientista alemão. Seria uma mistura de uma mulher pré-histórica com uma felina. A leoparda sedutora ‘Vênus Cat People’ (Két Pípou). (34")

Entra “Venus Cat People” e fica até o fim. (2'23”)

Apresentador: Se os homens podem criar a tal felina sedutora, as mulheres das canções de Fernanda Abreu também não têm papas na língua ao falarem de seus desejos. É o que acontece em 'Bido-libido', composta em parceria com Rodrigo Campello e Jovi Joviniano. Essa música é parte do CD ‘Na paz’, lançado em 2004 pelo selo ‘Garota Sangue Bom’, criado pela própria Fernanda. (21") 

Entra “Bidolibido” e fica até o fim. (2'59”) Apresentador:Aos poucos, Fernanda Abreu misturou samba, funk, rap e outros ritmos para falar das diferentes mulheres cariocas.Escreveu sobre figuras urbanas, independentes, como sua própria geração. A canção “Um dia Sim, outro Não”, que virou trilha sonora da novela 'História de amor', de Manoel Carlos, fala de uma mulher que não quer ninguém dizendo o que ela deve fazer. (22")

Entra “Um dia sim, outro não” e fica até o fim (3'15”)

Apresentador: Além das canções sobre garotas cheias de atitude, Fernanda Abreu também mostra seu lado mais sensível e romântico em sucessos como “Você pra mim”, que virou top na noite carioca e embalou os momentos românticos de outra novela da Globo, ‘Meu Bem Meu Mal’, de Cassiano Gabus Mendes. A música foi lançada no primeiro disco solo de Fernanda e regravada em 2006, no álbum MTV ao vivo. (25”) 

Entra “Você pra mim” e fica até o fim. (3'45”)

Apresentador: No próximo bloco, muita festa! Bailes da pesada, baladas Funk e hits de Fernanda Abreu que levaram o som das festas cariocas para o mundo. (10”)

Locutor: Estamos apresentando Estúdio F, Momentos Musicais da Funarte. (3”)

 OBS: O segundo bloco tem um total de (16’)
 I N T E R V A L O
 •Insert Chamada Funarte (23”)

 BLOCO 3

Locutor: Continuamos com Estúdio F

Apresentador: Uma das músicas de Fernanda Abreu mais executadas nas rádios nasceu de uma história curiosa. Mais precisamente de um carregamento de maconha jogado nas águas brasileiras por um navio em fuga. As latas começaram a aparecer nas praias do Rio com a droga compactada, em uma concentração extra forte que marcou o verão de 1987. Na inspiração de Fernanda Abreu, a história virou “Veneno da lata”, parceria com Will Mowat (Uil Mouát) que vem agora no repertório, com o suingue-balanço-funk que é a cara do Rio de Janeiro. (33”)

Entra “Veneno da Lata” e fica até o final. (4’03”)

Apresentador: Da disco music (míusic) para o funk: o ritmo que veio dos guetos norte-americanos conquistou um público considerável no Brasil. Só que, tanto em São Paulo quanto no Rio houve quem quisesse proibir as festas ao som do batidão. Num apelo contra o preconceito, Fernanda e Rodrigo Maranhão defendem a balada mais popular dos morros cariocas e anunciam: “Acabaram com o Baile Funk! (22”) 

Entra “Baile funk” como bg, sobe e fica até o fim. (2'27”)

Apresentador: Para Fernanda Abreu, o baile funk não tem cor nem classe social. E ela fala com propriedade de quem conhece de perto, participando de projetos em diversas comunidades, como a Rocinha, o Pereirão e Vigário Geral. Em 2009, foi à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro defender o projeto de lei que reconheceu o funk como Movimento Cultural Carioca. Em suas palavras: “Não é de violência, nem de perder a razão. O ‘baile é da pesada’, nitroglicerina pura, quando é só diversão”. (28”)

Entra “Baile da Pesada” e fica até o final. (3'40”)

Apresentador: No bê-a-bá de Fernanda Abreu, está também a língua dos terreiros de samba. Tanto que em sua discografia ela já fez bonito regravando músicas como o samba-enredo “É hoje”, da União da Ilha, e o clássico do repertório de Alcione que vamos ouvir agora no Estúdio F. De Edson e Aluísio, “Não deixe o samba morrer”. (19”)

Entra “Não deixe o samba morrer” e fica até o final. (2’30”)

Apresentador: A violência e outros problemas da vida urbana são temas recorrentes nas composições de Fernanda Abreu, mas nunca a esperança fica de lado. Em todo seu trabalho, Fernanda faz dançar com canções que também dão o que pensar. Como na sua música de maior sucesso, que desde 2001 levanta multidões. Nessa parceria com Fausto Fawcet e Carlos Laufer, a Cidade Maravilhosa é apresentada a muitos passos do paraíso: um purgatório da beleza anestesiado por festas como as tantas que embalam Fernanda de Abreu desde a adolescência – a bem mais de 40 graus. (32") 

Entra "Rio 40."e fica até o final.(3'06”)

Entra música tema do Estúdio F e fica em BG com a narrativa abaixo grigada. (57”)

Apresentador: O programa de hoje foi roteirizado pela pesquisadora e roteirista Aline Veroneze. O Estúdio F é apresentado toda semana pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro e nas Rádios Nacional de Brasília e da Amazônia, emissoras EBC – Empresa Brasil de Comunicação. Os programas da série também são uma das atrações do Portal das Artes. O endereço é www.funarte.gov.br. Cultura ao alcance de um clique! Você também pode ouvir o programa pelo site da EBC: www.ebc.com.br. Quem quiser pode escrever para nós, o endereço é: estudiof@ebc.com.br 

Apresentador: Valeu, pessoal! Até a próxima!!!

 OBS: O terceiro bloco tem um total de (19')
Total aproximado (53')

 CHAMADA
 Ela uniu o funk à disco music, depois ao rap e ao samba. É conhecida como A cantora carioca, levando as baladas do Rio de Janeiro para todo o mundo. Em geral, seus temas são as diferentes figuras femininas, a complexidade das grandes cidades, além dos hits românticos. A 'garota sangue bom' Fernanda Abreu é a homenageada do Estúdio F, desta segunda-feira, às 21 horas, aqui na Rádio Nacional. (25”)