Pesquisar este blog

sábado, 18 de julho de 2015

Biografias musicais para a Rádio Nacional/Funarte - Genival Lacerda

Estúdio F

Genival Lacerda

Foto: Marco Vieira - infonet


Bloco 1

Á U D I O T E X T O

Música-tema entra e fica em BG;

Locutor - A Rádio Nacional apresenta
ESTUDIO F,
Momentos Musicais da Funarte

Apresentação de ----- (1’25”)

Apresentador: Os gestos exagerados, engraçados, renderam o título de “Rei da munganga”. Ele é um forrozeiro dos melhores e levou o nome de Campina Grande pelo Brasil afora. Estourou nas paradas de sucesso usando “Severina Xique-xique”, ou melhor, cantando Severina! E dezenas de artistas se apaixonaram pela Severina dele e cantaram ela também. O cabra fica macho quando alguém diz isso: mas ele é o mestre dos duplo sentidos. (20”)


Entra “Procurando Tu” como bg no trecho acima que é a introdução musical, sobe até 30”, cai de novo, fica como Bg do texto abaixo.
https://www.youtube.com/watch?v=ZAt4a920-ro


Apresentador: Quem vai sacudir a poeira no Estúdio F é o cantor e compositor paraibano, Genival Lacerda!


Sobe Bg de “Procurando Tu” e fica até o final. (2’14)


Apresentador: Genival Lacerda é um dos grandes nomes da cultura nordestina. Em todo forró, todo bate coxa que se preze, não podem faltar “Julieta”, “A fubica dela ”ou “De quem é esse jegue?”. Brincando com a duplicidade das palavras nas letras das músicas, Genival Lacerda apresentou ao Brasil ritmos como o rojão, a marchinha, a embolada e o coco - um ritmo que tem parentesco tanto com o samba-de-roda como com o forró, de raízes africanas e indígenas.
Quer ‘matar o velho’ é dizer que seu trabalho faz parte do "pornoxote" ou da “pornochanchada”. Genival Lacerda fica irritado e justifica: nunca usou um palavrão nas músicas, por respeito ao público. E completa: O que se faz hoje no forró é muito mais apelativo e escrachado. (55”)


Entra “Mate o veio, mate” e fica até o final. (3’41”)


Apresentador: A carreira na música surgiu por influência do cunhado e amigo, Jackson do Pandeiro, a quem Genival Lacerda dedicou o álbum “Tributo a Jackson do Pandeiro”, lançado pela RGE, no final da década de noventa. Está no ar um dos maiores sucessos interpretados por Jackson do Pandeiro: a música “Sebastiana”, de autoria de Rosil Cavalcanti. Pode se preparar que “o xaxado da Paraíba” já vai começar! (25”)
Entra “Sebastiana” como bg, sobe e fica até o final. (2’02”)


Apresentador : Genival Lacerda iniciou a carreira gravando várias modas de roda. Em 1956, lançou pela gravadora Mocambo, o seu primeiro disco, interpretando as músicas: "Rojão Nacional", "Noé, Noé", "Coco de roda" e a faixa título, “Eu vou pra lua”. Ele, que já tinha deixado a Paraíba para ir atrás do sonho de virar cantor, despediu-se de Recife e seguiu para o Rio de Janeiro, em busca de novas oportunidades. Com vocês: “Eu vou pra lua”. (30”)


Entra “Eu vou pra lua” e fica até o final. (2’59”) Anexa


Apresentador: Foi no programa de televisão do apresentador Silvio Santos que Genival Lacerda se consagrou “Rei da muganga”, rebolando com a mão na barriga, de roupas floridas e chapéu típico do nordeste do país. A música, composta por Genival Lacerda e João Gonçalves, "Severina Xique Xique", foi um fenônemo. Como ele mesmo diz: causou um alvoroço de pernas que só vendo! E de microfones também! Severina foi gravada por Genival em 1975, no LP "Aqui tem catimberê", que vendeu cerca de oitocentas mil cópias. Depois tornou-se a música dele que mais ganhou versões de outros artistas. Algumas delas vamos tocar nesse Estúdio F, mas para começar, a original: (45”)


Entra "Severina Xique Xique" e fica até o final. (3’13”)


Apresentador: No próximo bloco, Genival Lacerda e Ivete Sangalo, juntos, em uma nova versão do “Chevette da menina”.(10”)
Locutor: Estamos apresentando Estúdio F,
Momentos Musicais da Funarte. (3”)

(TOTAL DO BLOCO 19’)

I N T E R V A L O

  • Insert Chamada Funarte

Á U D I O T E X T O

Música-tema entra e fica em BG;

Locutor: Continuamos com Estúdio F

Entra “Severina Xique –Xique” e fica até o final. (1’36”)
Cortar em 1’36”

Apresentador: Você ouviu “Severina Xique-xique”, o grande sucesso de Genival Lacerda, nas vozes de Zélia Duncan e Zeca Baleiro.

Além de ficar marcado pela dança sensual e desengonçada, Genival Lacerda, uma das figuras mais carismáticas da música nordestina, também é sucesso como compositor. Um exemplo é a música “A Filha de Mané Bento”, de autoria de Genival Lacerda, em parceria com João Gonçalves. No cd comemorativo de sessenta anos de carreira, Genival regravou “A Filha de Mané Bento” e mostrou que continuava arretado, mesmo aos 79 anos de idade, com tutano, ou melhor, voz, para colocar fogo nos salões. “O que é bom e estava guardado” pela Filha de Mané Bento, a gente toca aqui. (43”)

Entra “A filha de Mané Bento” e fica até o final. (3’01”)

Apresentador: As músicas cheias de histórias engraçadas, com personagens típicos do nordeste do país, acabaram virando literatura. Beto Brito, um escritor de cordel, inspirado no sucesso de “Severina Xique-xique”, escreveu o livreto de nome “A Saga de Pedro Caroço com Severina Xique-Xique”. A história em versos do candidato a namorado, interesseiro, de olho na butique da donzela, foi contemplada, em 2007, com o prêmio “Novos Escritos”. O texto foi adaptado para o teatro, encenado pelos atores Márcio de Paula, Daniel Porpino e Ana Valentina.
Por três vezes, Genival Lacerda desempenhou, no cinema, o papel de cantor de forró. Nem foi preciso preparação ou caracterização. Ele é, naturalmente, o tipo caricatural do forrozeiro.
Em 2008, passou de figurante a astro rei. A documentarista Carolina Paiva acompanhou a turnê que percorreu os principais centros do forró nordestino: Aracaju, Caruaru, João Pessoa, Juazeiro e outros, mostrando a rotina de quem coloca todo mundo para forrozar. O filme contou com a participação especial da Orquestra Sinfônica Jovem do estado da Paraíba, por exemplo, em “Radinho de Pilha”, que vamos ouvir agora. (1’22”)

Entra “Radinho de Pilha” e fica até o final. (3’30”)

Apresentador: A canção que acabamos de ouvir, Radinho de Pilha”, também foi gravada numa parceria inusitada. Quem diria: Genival Lacerda e os roqueiros do “Camisa de Vênus”! O forrozeiro também é um dos convidados de Marcelo Nova, em seu disco solo 'Marcelo Nova e a envergadura Moral'. Eles cantam juntos a música “A gente é sem vergonha”, de autoria do próprio Genival Lacerda com Acioli Neto. A seguir, vamos conferir o resultado dessa mistura de forró com rock’n roll. (30”)


Entra “A gente é sem vergonha” e fica até o final. 2’41”


Apresentador: Em 2010, Genival Lacerda animou as festas de São João ao lado da baiana Ivete Sangalo. Os dois fizeram uma versão da canção gravada por Genival vinte anos antes: O “Chevette da menina”, de autoria de Durval Vieira e Macambira. A letra da música já falava de uma garota, de nome Ivete, que empresta o automóvel por uma semana e recebe, de volta, o veículo todo avariado. A versão em parceria com Ivete Sangalo passou a chamar “O Chevette da Ivete”. (30”)
Entra “O Chevette da Ivete” e fica até o final. (3’41”)
https://www.youtube.com/watch?v=w5sw1HaIkjk
Apresentador: No próximo bloco, Genival Lacerda se reinventa e transforma o forró em hit dance music com o Rock do Jegue.
Locutor: Estamos apresentando Estúdio F,
Momentos Musicais da Funarte. (3”)

(TOTAL DO BLOCO 17’30”)

I N T E R V A L O

Insert Chamada Funarte

Á U D I O T E X T O

Música-tema entra e fica em BG;


Locutor: Continuamos com Estúdio F

Entra “Severina Xique –Xique” e fica até o final. (1’17”)
http://musictonic.com/music/Severina+Xique-Xique#v=SexWGeJSZUw
Apresentador: Essa foi a versão de “Severina Xique-xique” gravada por Nando Reis e sua banda “Os infernais” lançada no CD e DVD “Bailão do Ruivão.


Nascido em 5 de abril de 1931, aos 30 anos Genival despontava como referência do forró tradicional. Aos 80, não hesitou em procurar recursos modernos e se adaptar aos novos tempos. A parceria com Zeca Baleiro, por exemplo, resultou em um ‘tecno-xaxado’. Na música “O parque de Juraci”, os dois contam a história de um passeio mal sucedido de um casal, mas a sonoridade faz referência ao Jurassik Park, de Steven Spilberg, contrapondo a brasilidade ao estilo norteamericano. Os trocadilhos lembram o forró de duplo-sentido do “Rei da muganga”. No início da canção, Zeca Baleiro dedica a música a Genival e a Spilberg. “Juraci no parque” foi lançada no álbum “Por Onde Andará Stephen Fry?” (frai). Vamos ouvir. (55”)
Entra “O parque de Juraci” e fica até o final. (4’04”)
https://www.youtube.com/watch?v=UxIEdzmuWhE


Apresentador: No álbum “Forró dance” (dence), lançado pela Pardadoxx Music, em LP, fita K7 e CD, Genival Lacerda regravou alguns de seus grandes sucessos remixados, com uma batida mais eletrônica. As casas noturnas de todo o país, que na grande maioria das vezes só tocavam músicas em inglês, receberam muito bem as novas versões de Genival Lacerda, aumentando a popularidade entre um público que não era o consumidor habitual de forró. A música “De quem é esse jegue?” virou o “Rock do Jegue”. No próprio Nordeste estava acontecendo um movimento de valorização do jegue. O padre Antônio Vieira, inclusive, enviou uma carta ao então presidente da república, Fernando Henrique Cardoso, pedindo a criação do Dia Nacional do Jumento. Além disso, o padre liderou uma campanha pela construção do Memorial do Jumento em Fortaleza. Nesse cenário, o novo Hit “Rock do Jegue” virou hino informal do Ceará.


Entra “Rock do Jegue” e fica até o final (4’05”)


Apresentador: Com mais de oitenta anos de idade, Genival Lacerda sonha em ver o filho caçula alcançar o sucesso também. João Lacerda é o último de 10 irmãos. Aos onze anos cantou com o pai pela primeira vez. A música era “O Dengo da Menina”. Desde então, tomou gosto pelo microfone e decidiu seguir os passos do pai no forró pé se serra. A partir de 2007, João Lacerda investiu em carreira solo, sem deixar de dividir o palco com Genival. Vamos ouvir pai e filho em uma nova versão de “Quem dera”, música de Nando do Cordel e Genival Lacerda, gravada pela primeira vez no LP “Troque as pilhas, só não mate o veio”, no ano de 1984. (55”)
Entra “Quem dera” e fica até o final. (2’43”)
Começar em 20”

 Apresentador: Em 2011, o troféu de concurso de quadrilhas de Campina Grande teve o nome de Genival Lacerda e ele recebeu, da assembléia Legislativa de Pernambuco, o título de cidadão pernambucano. Reconhecido como um legítimo representante da cultura nordestina, logo anunciou outro projeto e, aos 81 anos de idade, lançou o cd "Genival Lacerda canta Luiz Gonzaga”. Foi o filho de Genival, João Lacerda, o produtor deste disco, com duetos fantásticos, participações para lá de especiais. Uma homenagem do “Rei da muganga” para o “Rei do baião”, que acaba por enaltecer tanto um quanto outro, mostrando o prestígio de Genival Lacerda perante grandes nomes, companheiros de profissão, como Dominguinhos, Fagner, Frank Aguiar, Elba Ramalho, Chico César, entre outros. O próprio filho, João Lacerda também canta com o pai neste CD. E é com a música de Luiz Gonzaga e Zé Dantas, gravada por Genival Lacerda com participação de Flávio José, que terminamos esta homenagem. Com vocês, “Vozes da Seca”! (1’)



Entra “Vozes da Seca” e fica até o final. (3’03”) se tiver problema com tempo pode cortar essa música antes
Entra música tema do Estúdio F e fica em BG com a narrativa abaixo grifada. (57”)
Apresentador: O programa de hoje foi roteirizado pela pesquisadora e jornalista Aline Veroneze com supervisão de Pedro Paulo Malta. O Estúdio F é apresentado toda semana pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro e nas Rádios Nacional de Brasília e da Amazônia, emissoras EBC – Empresa Brasil de Comunicação. Os programas da série também são uma das atrações do Portal das Artes. O endereço é www.funarte.gov.br. Cultura ao alcance de um clique! Você também pode ouvir o programa pelo site da EBC: www.ebc.com.br. Quem quiser pode escrever para nós, o endereço é: estudiof@ebc.com.br

  • Apresentador: Valeu, pessoal! Até a próxima!!!
  • OBS: O terceiro bloco tem um total de (18'30”)
  • Total aproximado (53')
  • CHAMADA:
  • Apresentador :Ele é um legítimo representante do forró pé de serra. Balançando a pança e cantando músicas cheias de trocadilhos e duplo sentido, caiu no gosto popular e levou o nome de Campina Grande por todo o Brasil. Genival Lacerda é o homenageado do Estúdio F na segunda-feira, às 21 horas, aqui na Rádio Nacional. (20”)